Table Partners

Consultoria de estratégia e liderança

João Navarro

João Navarro

João Navarro é consultor de gestão há mais de 10 anos e tem desenvolvido estratégias que agregam valor e reputação a empresas de diversos setores representativos do país, principalmente na área de educação. Engenheiro Civil graduado pela FAAP, possui pós-graduação na FGV-SP e MBA na FIA-USP, ambos com ênfase na área de Marketing. Assumiu posições executivas em grandes empresas, como Credicard, PageNet e Telefônica, e gerenciou projetos no Brasil e no exterior como consultor da Booz-Allen & Hamilton e da K2 Achievements. Teve participação em importantes cases como a recuperação financeira e operacional da Universidade Estácio de Sá e a definição de estratégias para o reposicionamento de mercado da Abril Educação. Além de primar pela curiosidade, empatia e bom relacionamento para exercer seu trabalho, João dedica-se ao estudo de metodologias e conteúdo de negócios para constante aprimoramento de suas análises e recomendações. João é sócio da Table Partners e atua no desenvolvimento de estratégias a partir de lideranças e conselhos de alta performance. Ao remover barreiras presentes dentro das próprias organizações, a Table Partners apresenta soluções realistas, baseadas no envolvimento, na sensibilidade e na credibilidade.

Artigos por João

Se quer a paz, prepare-se para a guerra

Se quer a paz, prepare-se para a guerra

Com o crescimento da economia brasileira e com as mudanças tecnológicas afetando cada vez mais segmentos do mercados, todos os setores estão sujeitos a reviravoltas e transformações radicais e irreversíveis.

Como nos preparar para essas descontinuidades, que podem emergir de muitas frentes diferentes? Como prever um futuro em que tantas possibilidades podem acontecer?

Desvios não são sinônimo de descontrole

Desvios não são sinônimo de descontrole

A maior parte dos gestores sente-se complacente, se precisa tratar como natural desvios em relação a planejamentos. Essa é uma postura adequada aos projetos tradicionais, mas inadequada, de certa forma “teatral” e, muitas vezes, prejudicial na implementação de novos empreendimentos, cujas premissas são, em geral, muito incertas – justamente os projetos mais importantes, para o futuro da organização.

Como conduzir o planejamento e a gestão de projetos dessa natureza?