Table Partners

Consultoria de estratégia e liderança

Jornais em 2011 – Consolidação no iPad

O ano de 2011 pode trazer boas notícias para os jornais diários, em tempo: enquanto a circulação paga de impressos continua a cair no Brasil e no mundo, a de edições digitais para ipads e e-readers deve crescer este ano, impulsionada pela popularização dos aparelhos, uma vez acertadas as combinações de preço e produto para assinaturas digitais e impressas.

Mas não é só isso: a migração dos assinantes para a versão eletrônica dos diários altera completamente o seu sistema de distribuição – eliminando a impressão e distribuição físicas do conteúdo – o que pode, por sua vez, alterar profundamente o próprio produto.

O que a distribuição digital muda para os jornais?

Historicamente, o próprio processo de impressão e distribuição física diárias acabaram confinando os jornais a uma atuação local, em uma cidade ou região, pois a expansão geográfica implicaria um pesadelo logístico diário.

Assim, há poucos exemplos de jornais com circulação nacional – nos EUA, os principais são o Wall Street Journal e o USA Today. No Brasil, os jornais econômicos circulam nas principais capitais do sudeste (ou seja, São Paulo, Rio de Janeiro, às vezes Belo Horizonte e Brasília), mas os gerais não ultrapassam as fronteiras de seus estados.

Não digo que a concentração local não tenha resultado em jornais bons e relevantes, com modelos de negócio interessantes, mas, por outro lado, sua publicidade tende a se limitar a anunciantes locais. Para veicular uma campanha nacional em jornal, um grande anunciante é obrigado a contratar – e gerenciar – múltiplos fornecedores, um em cada praça.

No ipad isso pode – e deve – ser diferente. Com exceção das redações locais, a produção e distribuição podem ser centralizadas, assim como a venda de publicidade, permitindo uma atuação nacional e elevando a escala da operação. A rápida penetração dos tablets e e-readers logo deve equiparar ou superar a do jornal pago, aproximando a edição digital aos volumes de circulação em papel.

Quais são as implicações imediatas deste cenário para os jornais?

Primeiro, e sempre, um conteúdo adequado, ‘enhanced‘ para a nova plataforma, independentemente do modelo de negócio. Além disso, na minha opinião, mais duas tendências para observarmos em 2011:

  1. Venda ostensiva de assinaturas digitais e estímulo à migração de assinantes de papel, monitorada de perto, para que a nova experiência de jornal seja adotada pelo leitor. Os modelos de precificação que quase “punem” o assinante digital, tão mais caras do que as assinaturas em papel, serão substituídas por “prêmios”, agregando a edição digital à de papel e levemente estimulando a migração.
  2. Consolidação de jornais locais, que já têm a sua estrutura em funcionamento, compondo novos produtos e empresas de atuação nacional, potencialmente até regional, especialmente no caso dos jornais econômicos

As plataformas digitais, há uma década, têm “balançado o barco” dos jornais, mais do que outras mídias chamadas tradicionais. De 2011 em diante, os tablets e e-readers serão a “luz no fim do túnel” dos jornais, que se transformarão e se consolidarão para prosperar nessa nova plataforma. Cabe às empresas jornalísticas reconhecerem e abraçarem essas oportunidades, pois já não há dúvidas da necessidade de mudanças no modelo daqueles que ainda estão de pé.

Vote neste artigoVote neste artigoVote neste artigoVote neste artigoVote neste artigo
Loading...