Table Partners

Consultoria de estratégia e liderança

Você adotaria uma estratégia de influência ou de confronto, se fosse Jeff Bezos?

Hoje a Amazon disparou um míssil sobre o mercado editorial: uma oferta de pagar 70% – SETENTA por cento! – do preço de capa diretamente a autores que queiram vender seus livros, em formato eletrônico, na livraria online, para serem “baixados” para o Kindle (o leitor de e-books da Amazon) ou para o iPhone, sem precisarem passar por uma editora.

Os royalties que os autores recebem das editoras costumam ser de 7% a 15%.

Em suma: a Amazon declarou guerra aberta aos editores de livros americanos.

Você adotaria essa estratégia de confronto direto ou preferiria uma estratégia de influência?

Cabo-de-Guerra

Por que esse conflito de vida ou morte entre a Amazon e os editores?

Como todos sabem, há pouco mais de dois anos a Amazon lançou seu leitor de livros eletrônicos, o Kindle, que já vendeu cerca de 2 milhões unidades.

Livros eletrônicos não precisam ser impressos, não precisam ser estocados, transportados, expostos em uma loja, entregues a domicílio… Deveriam, portanto, ser vendidos MUITO mais baratos, mesmo preservando integralmente a margem do editor.

Os editores americanos, contudo, recusam-se a vender os livros eletrônicos à Amazon por menos do que eles cobram (da Amazon e de outros compradores de grande volume) pelo livro físico, de papel. Realmente, não faz sentido. Por que os editores estão se comportando assim?

Por três razões:

  1. Eles temem que a Amazon perpetue-se como monopolista de livros eletrônicos e, no futuro, comprima a margem dos editores e capture todo o lucro da cadeia de valor. Eles “puxam o freio de mão”, esperando que outras livrarias eletrônicas surjam, para competir com a Amazon — o que, de fato, está acontecendo.
  2. Eles temem que, uma vez digitalizados, os livros sigam o mesmo caminho das indústrias fonográfica – praguejada pela pirataria e, hoje, refém da Apple/iTunes – e cinematográfica, igualmente sitiada por piratas.
  3. Eles temem que, se o consumo de livros migrar para o formato digital, qualquer um poderá ser editor e autores poderão se auto-editar, tornando as editoras empresas obsoletas, tal como está acontecendo com editores de jornais.

Durante quase três anos a liderança da Amazon vinha tentando contornar essas objeções e temores dos editores, sem sucesso.

Agora, vendo uma multidão de novos concorrentes invadirem o mercado, a Amazon decidiu partir para o confronto aberto, estimulando autores a by-passarem o mercado editorial e lançarem diretamente suas obras na livraria online, em formato eletrônico.

Veja o que diz o blog The Business Insider:

“As lamúrias da indústria editorial tradicional são de que os cortes nos preços de ebooks vão acabar com a pouca margem que sobra para as editoras, impedindo que os editores façam grandes adiantamentos aos autores e, assim, (tenham medo! tenham medo!) poucos livros bons sejam publicados.

Bobagem.

Se o livro ”Too Big To Fail” de Andrew Ross Sorkin custasse, digamos, $ 3,99, Sorkin iria vender centenas de milhares de cópias a mais do que ele vende com os preços de hoje ($ 29,99). Se Sorkin receber 70% do preço de venda ao invés dos atuais 10%, ele vai se dar muito bem. Ele poderia até ter recursos para pagar a um bom editor para desenhar uma capa e promover o livro para ele.”

Veja o que diz o anúncio da Amazon:

“A plataforma de texto do Kindle Digital é uma ferramenta fácil e rápida de auto-publicação, que permite a qualquer um carregar e formatar seus livros para venda na Kindle Store.”

Parece que Jeff Bezos, o fundador e CEO da Amazon, não teve outra escolha a não ser forçar os editores a negociarem pelo caminho da ameaça… Mas será mesmo verdade?

Paciência de Jobs

Considere os feitos quase inacreditáveis da carreira de Steve Jobs, fundador e CEO da Apple:

  • Quando sua empresa estava quebrada, em 1997, Jobs convenceu sua arqui-rival Microsoft (que havia passado a última década esforçando-se justamente para quebrar a Apple) a: pagar US$150M por ações da Apple, SEM DIREITO A VOTO, desenvolver e distribuir o OFFICE Para MAC e comprometer-se a continuar a desenvolver novas versões e novos programas da Microsoft para o MAC!
  • Em 2002/03 convenceu o setor lendariamente imobilista das gravadoras de música a deixá-lo vender faixas isoladas de discos, em formato digital, na Internet. O resultado – a iTunes Store – é responsável por 70% das vendas mundiais de músicas pela Web, já tendo vendido cerca de 7 bilhões de músicas
  • Em 2006, convenceu a Disney a pagar US$7,4 bilhões pela Pixar, cujos filmes ela já tinha o direito exclusivo de distribuir, com uma margem muito maior do que a do estúdio de Jobs.

Comparando essa lista de proezas, com o desafio da Amazon, de seduzir o setor editorial, é difícil deixar de pensar que, se Jobs estivesse no lugar de Bezos, a atual situação não teria chegado ao conflito e todos estariam ganhando dinheiro juntos e felizes.

E você, o que acha? Bezos optou mesmo pelo melhor caminho?

Dado que ele não é o mago da sedução, que Jobs é , teria ele outra alternativa?

Exite papel para “diplomatas empresariais” profissionais, que atuem em situações como essa?

Divida seus pensamentos conosco, no espaço para comentários, abaixo!

Vote neste artigoVote neste artigoVote neste artigoVote neste artigoVote neste artigo
Loading...