Table Partners

Consultoria de estratégia e liderança

A matemática da influência

O dia 3 de maio será o segundo aniversário do “Let’s Do It” – uma campanha de mobilização, na remota Estônia, que ganhou fama mundial.

Em um único dia – 3 de maio de 2008 – 50 mil voluntários limparam mais de 10 mil toneladas de lixo das matas da Estônia, deixando-as limpas.

O movimento está sendo reproduzida em diversos países. Em Portugal, no último dia 20 de março, 100 mil pessoas recolheram 70 mil toneladas de lixo das matas, ruas e terrenos do país, apesar do dia frio e chuvoso.

Além de uma iniciativa pública de grande valor, o Let’s Do It ilustra um aspecto importante dos esforços de influência: o crescimento cumulativo (build-up) do grupo de aliados. Há uma matemática e uma mecânica simples nesse processo de acumulação de “momento” em qualquer iniciativa.

Mas antes, vale a pena ver o filme sobre o Let’s Do It de 2008:.

http://www.youtube.com/watch?v=T7GzfMD6LHs

Nós podemos agrupar os participantes do Let’s Do It em 5 grupos:

  • O Visionário original: 1 pessoa
  • Os Missionários, adeptos de primeira hora: 20 pessoas
  • Os Voluntários, recrutados pelos Missionários: 650 pessoas
  • Os Pioneiros, mobilizados por cerca de 500 instituições e formadores de opinião (por sua vez mobilizados pelos Voluntários): 10 mil pessoas
  • Os Seguidores, incentivados pelo movimento dos 10 mil Pioneiros e pelos formadores de opinião e instituições: 40 mil pessoas (a diferença entre os 10 mil Pioneiros e o total de 50 mil pessoas que participaram do movimento)

O gráfico abaixo mostra a evolução do número acumulado de participantes do Let’s Do It, à medida em que esses cinco grupos foram se formando:

.

EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE PARTICIPANTES ATIVOS NO LET’S DO IT 2008

(milhares de pessoas)

.

Se transformarmos a escala do gráfico acima numa escala logarítmica (ver abaixo), percebemos uma elevada taxa de multiplicação no início do movimento – um Visionário recrutando 20 Missionários; cada Missionário alinhando 30 Voluntários – que é sustentada (até um certo ponto) pela mobilização de veículos de formadores de opinião. Essa sustentação resulta em uma nova multiplicação de 15x no número de adeptos do movimento.

Finalmente, na etapa final do movimento os Pioneiros multiplicam-se em Seguidores a uma taxa de 1:5.

.

EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE PARTICIPANTES ATIVOS NO LET’S DO IT 2008

a

Esse é um padrão que você provavelmente encontrará em todos os esforços em que você tenha que mobilizar um grupo de pessoas, mesmo em muito menor escala, como na liderança de uma organização.

Por exemplo: um iniciador (“Visionário”) começa a defender a idéia de um sistema de job-rotation para diretores e gerentes da organização. Algum tempo depois 2 outros diretores estão convencidos de que essa é uma boa idéia. Esses dois diretores, por sua vez, convencem, cada um, outros 3 diretores do mérito da idéia – chegando o total a 9 diretores/líderes alinhados com a idéia – o que, em geral, é suficiente para iniciar um projeto/estudo da proposta.

Agora, para sustentar esse ritmo de crescimento, você provavelmente precisaria mobilizar um número similar de formadores de opinião da organização (digamos, apresentando os resultados do estudo). Caso tenha sucesso, é possível que o número pessoas dando suporte ao projeto cresça para a casa das dezenas que, na maioria das organizações, é suporte suficiente, no corpo gerencial, para garantir o go-ahead e apoio à implementação, mesmo de uma mudança aparentemente impossível.

Mobilizar pessoas é sempre difícil. Por isso, quanto maior o número de pessoas que precisamos “converter” e mobilizar à ação, mais impossível uma iniciativa nos parece. Na próxima vez que você estiver envolvido em uma iniciativa assim, não pense no número total de pessoas a converter. Concentre-se  no pequeno número de Missionários que você precisará recrutar e nos formadores de opinião que, juntos, vocês mobilizarão.

Você já testemunhou ou participou de um processo similar, de construção de massa crítica para um projeto ou mudança em uma organização ou setor? Como foi essa experiência?

Vote neste artigoVote neste artigoVote neste artigoVote neste artigoVote neste artigo
Loading...